Imagem capa - Artigo da Folha de Ponte Nova por Heleno Lopes
Blog

Artigo da Folha de Ponte Nova

Na edição dessa sexta-feira (22/6), Ademar Figueiredo bateu um papo com o fotógrafo Heleno Lopes, na coluna Arte & Cultura.


Nascido em Ponte Nova, casado e pai de família, ele busca contagiar as pessoas com suas belas fotos espontâneas. Por trás das lentes, ainda criança já era apaixonado pela fotografia. A paixão, o amor, a emoção, tudo estava presente e enquadrado no seu olhar. Já na adolescência, quando começou a trabalhar, não demorou a comprar a sua primeira câmera fotográfica. Para ele, um sonho realizado. Nas férias escolares, era certo ir para a casa da avó que morava na roça, cenário perfeito para fazer suas fotografias. Na mochila, sempre levava a câmera e 2 filmes de 36 poses para registrar tudo.

Agora, já fotógrafo profissional, fez diversos cursos, tanto on-line quanto presenciais, no Espírito Santo, em Belo Horizonte, São Paulo e recentemente na Itália. Em busca de conhecimento e inspirado pelas fotografias de seu professor Sam Sacramento, fotógrafo reconhecido internacionalmente e com diversas fotos premiadas, com ele Heleno buscou fazer curso de fotografia em Florença, na Itália.  Sam Sacramento é brasileiro e reside atualmente na Itália. Por se tratar de curso muito concorrido, as inscrições foram feitas em junho de 2017 para apenas 15 brasileiros. Somente em 2018 Heleno recebeu a notícia de que havia sido selecionado e em 18/4 partiu para a Itália. Em Florença, uniu-se com os demais fotógrafos participantes de diversos Estados brasileiros, sendo o único mineiro.  Confira um pouco do bate-papo com ele.


Fale-nos um pouco mais sobre o curso na Itália.

Na fotografia, aprendemos que fotografar está muito além de um simples apertar o botão da câmera. Quando se trata de registrar algo que envolve pessoas, emoção, sentimentos, temos sim que buscar o aperfeiçoamento, conhecimento para entregar um bom registro. Tecnicamente a fotografia é produzida com a presença de luz. O professor fez questão de frisar bem este aspecto e ensinou enfaticamente a identificar e ler a luz em diversos momentos e horários. A foto quadradinha é a tradicional, algo que não pode faltar, mas sempre buscamos algo a mais que isso, aprendemos sim novas técnicas, enquadramento, composição, linha simétrica e outras. Temos que fazer do nosso objeto a ser fotografado uma arte, dando o melhor de nós naquele clique, estudando a luz do local, o melhor momento, observando as linhas e para onde elas apontam. Confesso, sou um eterno aprendiz da fotografia. 






(as fotos maior acima foram feitas em Florença na Itália).


Fotografia colorida ou preto e branco? Qual a sua preferida e por quê?

Eu sou suspeito para falar sobre foto colorida e preto e branco. Minha paixão sempre foi a famosa P&B (preto e branco). É claro que nem toda foto combina, mas eu gosto do preto e branco porque retrata emoção, sentimento, carinho. Aquele momento em que você olha para a foto e é surpreendido pela emoção que ela te passa. Sim, o preto e branco faz você sentir e reviver aquela cena.


Muita gente se atreve a fotografar com um smartphone. Como fica a criatividade neste processo?

Ótima observação: smartphones são para fins domésticos, e não profissionais. Estamos vivendo na era digital, século XXI, onde todos têm no mínimo um smartphone com câmera em mãos. Há alguns meses, um famoso magazine fez uma promoção onde falava o que você pode fazer com um smartphone e mostrou a variedade de momentos que se podia registrar. Na ocasião, trouxe desgaste entre os profissionais da fotografia. Minha opinião? Nada se compara a um equipamento profissional e um fotógrafo qualificado. Criatividade, conhecimento e equipamento profissional andam juntos.


Quais os seus planos para o futuro com a fotografia?

Acredite, a fotografia pode mudar vidas! Sabemos que a fotografia tem vida, tem voz. Minha missão como fotógrafo é trabalhar com amor, é transmitir e retratar emoção e sentimentos. A fotografia pode mudar o estado de espírito das pessoas, levando paz e esperança. E nós precisamos entender isso. E, quando você consegue entender isso, suas fotos passam a ter mais sentido, mais emoção. Um registro pode ser apenas mais um dia de trabalho, um dia de fotos! Ou não. Depende da forma de como você o enxerga. Hoje o que era um simples hobby se transformou em algo maior, profissional. No futuro próximo, temos um projeto de abrir um studio. Atualmente trabalho em vários segmentos, como fotografias de casamento, aniversários, 15 anos, infantil, eventos sociais e outros. O público ao qual, no futuro, gostaria de me dedicar mais é o dos casamentos. Hoje tenho buscado conhecimento e aperfeiçoamento em cerimônias matrimoniais e seus detalhes.

Fonte: http://www.folha.jor.br/vs/pt/